quarta-feira, 23 de abril de 2014

Bruxos & Bárbaros - A confecção da Capa do Jogo Básico - Parte I

Como todo mundo sabe, o texto do Jogo Básico do Bruxos & Bárbaros está pronto. Ele, inclusive, está disponibilizado para download para quem quiser começar a jogar e se divertir em um mundo de Espada e Feitiçaria. Mas ainda falta colocar esse conteúdo em um documento mais apresentável, bonito e inspirador. Por isso, pelas próximas semanas, eu estarei trabalhando em ilustrações e no design do livro em si.

Para começar, depois de mais alguns meses sem pegar em um lápis, decidi partir logo para a capa do livro. Eu quero algo icônico que homenageie as origens do hobby mas que indique as características novas e da literatura de Espada e Feitiçaria que permeia o jogo. Sendo um "Jogo Básico" e inspirado na versão Básica do Jogo de Fantasia Original, nada mais natural de procurar nessas versões a inspiração para minha capa, não é?

terça-feira, 22 de abril de 2014

O que é mais importante, as Regras ou a História? Nenhuma das duas...

Há algum tempo, eu escrevi esta postagem falando sobre "ser ou não ser um Mestre Carrasco" que falava um pouco sobre respeitar o resultado dos dados, não salvar personagens só porque ele rolou mal um Teste de Resistência e coisas do tipo. Ao longo dos quase 3 anos desse blog, eu escrevi vários artigos falando sobre como eu gosto de utilizar o "poder oracular" dos dados para gerar coisas inesperadas e me ajudar a criar histórias de maneiras que eu mesmo não conceberia sozinho.

Algumas pessoas, no entanto, acharam que isso quer dizer que eu priorizo as regras do jogo ao invés da história e que a história é o mais importante no RPG. Em alguns comentários, eu até tentei explicar que não era nada disso mas não achava a maneira certa de explicar que eu não priorizo nem as regras nem a "história a ser contada". Hoje, eu posso me explicar melhor, eu priorizo a experiência acima de tudo.

domingo, 20 de abril de 2014

Bruxos & Bárbaros - Download do texto do Jogo Básico "Revisado"

Os trabalhos para o Jogo Básico do Bruxos & Bárbaros continuam a todo vapor. Depois de pouco mais de um mês de revisões e correções, temos o texto que vou diagramar para formar a versão básica do jogo (e quem sabe imprimir algumas cópias a preço de custo para quem quiser). É claro que essa não é um revisão perfeita e profissional (ainda), mas já me sinto confortável em fazer um pequeno livro com esse texto.

Os próximos passos são produzir algumas ilustrações para o livro (eu e o +Felipe PEP já temos algumas imagens prontas, além de algumas de outros artistas que foram liberadas para uso e se enquadram muito bem na temática do jogo), uma capa nova, e diagramar 244 páginas de texto, a fim de produzir um livreto caprichado para vocês poderem jogar.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Tornando os mundos mais Fantásticos

Uma das coisas mais legais e interessantes de se jogar RPG é a oportunidade de visitar e viver, ainda que temporariamente, em outros mundos. Mundos diferentes do nosso, mundos fantásticos. O Mestra, então, tem a função de apresentar esse cenário aos jogadores e ter certeza de representá-lo de maneira que sejam valorizados esses elementos que os diferenciam tanto do nosso mundo.

É tentador, sem dúvidas, explorar esses elementos mágicos e diferentes dos mundos de fantasia ao extremo, na tentativa de mostrar o quão legais e diferentes eles são, mas isso facilmente esgotará seus encantos. Para algo ser fantástico, deve haver algo mundano ao seu lado fazendo o contraste. Para algo ser especial e raro, essa coisa não pode estar em toda cidade e a cada esquina. Sendo assim, na hora de criar ou retratar um mundo de fantasia que tenha a intenção de ser fantástico, onde a magia é algo raro e diferente, algumas dicas podem ajudar.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Bruxos & Bárbaros - Reporte de Campanha 01 - Criação dos Personagens

Comecei essa semana uma mesa fixa de Bruxos & Bárbaros em minha casa. Eu já estava há meses levando sessões One-Shot em diversos encontros e eventos de RPG por aí, até fora do Rio de Janeiro, mas achei que estava na hora de montar uma mesa fixa para ver o que as pessoas acham de um jogo mais constante com o sistema.

Sendo assim, convidei alguns amigos para jogar mas, infelizmente, só quatro compareceram para a primeira sessão. Foi um dia de chuva forte e isso não ajudou muito. Cada um chegou em um horário e eu só estava com um tablet contendo o PDF das regras. Dessa forma eu tive que explicar as mesmas coisas sobre as regras, sobre as culturas, classes e outras coisas mais de uma vez. Além disso, com um só "livro" para consultar e pessoas em estágio diferente da criação do personagem, ela demorou mais do que deveria. Mas, de maneira geral, cada um levou menos de 1 hora para criar cada personagem, sendo que havia um jogador que não jogava qualquer RPG a mais de 10 anos.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Resenha - Hobbit Tales - Card Game narrativo na Terra-Média

-Vamos, Fasto, conte logo aquela história sobre o viajante e troll faminto das montanhas!
-Calma, amigo. Eu preciso de umas cervejas e alguns anéis de fumaça para me lembrar dessa. Além disso, havia muito mais coisas nessa história além de um simples viajante e um troll!
-Claro, só porque você inventa coisas diferentes cada vez que você conta, as únicas constantes são o viajante e o troll.
-Pode ser, mas a história sempre fica divertida. É ou não é?

Hobbit Tales é um jogo de cartas narrativo em que os jogadores são hobbits sentados em uma mesa da Estalagem do Dragão Verde (Green Dragon Inn) contando histórias fantasiosas entre rodadas de cerveja e anéis de fumaça da melhor erva do Condado. Ele é produzido pela Cubicle 7, a mesma que produz o RPG The One Ring, e criado por Francesco Nepitello e Marco Maggi (que também trabalham na linha do The One Ring RPG). Além de um card game narrativo, o jogo traz mecânicas que podem integra-lo ao RPG da Terra-Média da mesma editora.

domingo, 13 de abril de 2014

Ganchos para Aventuras - Magia Recipiente Arcano (Magic Jar)

Eu não sei quanto a vocês, mas quando leio um livro de RPG eu acabo analisando cada aspecto do livro, do jogo, da história em termos de oportunidade para boas histórias e aventuras divertidas. Por incrível que parece uma coisa nos livros que eu acho pouco explorado são as magias dos conjuradores. Algumas não parecem ter muita importância ou material o suficiente para gerarem ideias interessantes para aventuras, mas outros estão implorando para serem usadas e exploradas.

Já falei por aqui sobre a magia "Sono" e dei alguns exemplos de Ganchos de Aventuras baseadas nela. Hoje, vou fazer a mesma coisa mas com a magia Recipiente Arcano (Magic Jar). Esta é uma magia de 5º círculo para magos e permite que o mesmo transfira sua alma para um objeto valioso como uma gema ou um cristal e, a partir deste, tentar possuir o corpo de outro indivíduo. Isso permite, por exemplo, um mago franzino e frágil possuir o corpo de um vigoroso guerreiro mantendo todos os seus atributos mentais e sociais. Bem poderosa, né? Mas e quanto a aventuras inspiradas nessa magia? Com um pouco de imaginação e deturpação dos limites da mesma, podemos criar vários cenários.